Horário: Todos os dias, das 10h00 às 18h00

Rua Conde Dom Henrique

4800-412 Guimarães

PD0493

Objeto museológico (PDB)

Aquário (Família Rosa)
Autor: Desconhecido
Centro de Fabrico: China
Data: c.1740-60 (Dinastia Qing, período de Qianlong)
Material: Porcelana
Dimensões (cm): alt. 41,6 x Ø 65,8
N.º de Inventário: PD0493

Grande aquário circular, rodado ao torno. De cada lado, como pegas, duas máscaras de macaco perfuradas na boca de modo a colocar uma argola em metal.

Executado em porcelana branca e grossa com um vidrado fino, quase baço, tipo “casca de laranja”, no interior e nas reservas, e espesso e brilhante no exterior sobre o azul. Pintura a ouro sobre o azul com o padrão de gelo “estalado” pontuado a flores, e nas reservas, contornadas por traço vermelho, decoração com esmaltes da “família rosa”.

No bojo, duas reservas com duas fénix com plumagem ricamente colorida, poisadas sobre rochedos e ladeadas por dois ramos de peónias arborescentes. Aba decorada com cercadura de padrão de losangos em ouro sobre um azul profundo, que enquadram quatro cabouchons em escudo de troféu, que alternam com quatro reservas pintadas com um ramo de peónias floridas em cor-de-rosa.

No interior sobre vidrado branco nadam entre algas e flores, cinco grandes carpas rodeadas de oito mais pequenas, todas pintadas com expressão individual, em tons de cinza, vermelho, laranja e rosa.

Esta tipologia de peças decorativas, caracterizada não só pelas grandes dimensões, naturalmente de difícil execução, como pela decoração cuidada, foram largamente apreciadas na Europa em geral e em Portugal em particular, onde aliás se conhecem vários pares. Estes aquários fariam certamente parte da decoração dos espaços de vivência privados, mas desconhece-se ainda o seu modo de uso, ao contrário dos seus congéneres na China onde eram recorrentemente usados como aquários para decoração de salas.

Maria Antónia Pinto Matos