Horário: Todos os dias, das 10h00 às 18h00

Rua Conde Dom Henrique

4800-412 Guimarães

PD0479

Objeto museológico (PDB)

Pote
Autor: Desconhecido
Centro de Fabrico: Fornos de Jingdezhen, China
Data: Século XVII (Dinastia Qing, período de Kangxi)
Material: Porcelana
Dimensões (cm): alt. 84,5 x Ø 50,5
N.º de Inventário: PD0479

Surgida na China entre os séculos VI e VII, a porcelana é um produto fruto do aperfeiçoamento do grés, obtido graças ao emprego de uma argila plástica, o caulino, queimada a altas temperaturas (+1200 C).

Começou a ser produzida na dinastia Tang (618-906), tendo-se desenvolvido intensamente na dinastia Ming (1368-1644) com a descoberta do caulino, atingido a perfeição em meados do Século XIV.

Os objetos de porcelana não foram apenas considerados preciosos na China, mas também no resto do mundo, tendo sido exportados, primeiro para o Oriente e mais tarde para o Ocidente.

A delicadeza das porcelanas chinesas atraiu a atenção dos portugueses, que, no início do século XVI, foram os primeiros a comercializar vasos, pratos e outros objetos decorativos para a Europa.

Trata-se de um pote em porcelana muito branca e espessa e pintado a azul-cobalto sob um vidrado leve. A tampa é encimada por leão rompante em metal dourado, de origem ocidental.

A decoração distribui-se em redor do pote, com ramos floridos de peónias, lótus, crisântemos e ameixieira, sobre rochedos, acompanhados por borboletas, libelinhas e aves esvoaçantes. Como pega, um leão budista, elevado nos quartos traseiros em posição rompante, em metal posteriormente dourado.

Estas peças estão carregadas de simbolismo, expressam votos de boa sorte ao longo do ano, não só pela presença na decoração dos ramos floridos correspondentes às quatro estações, como também pela presença de vários insetos, como a borboleta, símbolos de longevidade e renovação ao longo do ciclo da vida.