Horário: Todos os dias, das 10h00 às 18h00

Rua Conde Dom Henrique

4800-412 Guimarães

PD0402

Objeto museológico (PDB)

Contador / Bargeño
Autor: Desconhecido
Centro de Fabrico: Desconhecido
Data: Século XVII (?)
Material: Madeira (teca), metal, marfim e tartaruga
Dimensões (cm): alt. 62,5 x larg. 109,6 x prof. 38,2
N.º de Inventário: PD0402

O contador é um escritório móvel que permitia guardar nas suas gavetas – por vezes munidas de fechadura – documentos e outro pequenos objetos pessoais de valor (dinheiro, joias, etc.).

Sofreu diversas adaptações ao longo dos tempos, ajustando-se às exigências, modas e gostos do momento.

Tendo sido introduzido pelos árabes durante o período da ocupação da Península Ibérica, o Bargueño, enquanto contador espanhol, atingiu o seu auge nos séculos XVI e XVII.

Não se conhece a origem e o verdadeiro significado da palavra “bargueño. Tradicionalmente atribui-se a origem do nome à povoação de Bargas (Toledo), suposto centro produtor deste tipo de mobiliário; ou a um prestigiado entalhador toledano chamado Vargas. No entanto, o termo Bargueño foi utilizado pela primeira vez em 1872, no Catálogo de Objetos Artísticos Espanhóis do Museu Victoria and Albert de Londres, e foi admitido pela Real Academia da Língua em 1914.

Este contador bargueño é formado por dois corpos: a caixa e a trempe. O corpo superior é constituído por uma caixa com dois armários e dezasseis gavetas de vários tamanhos tendo no centro um motivo arquitetónico de fachada com colunas, com desenho de cesta de fruta e São Miguel, decorados com motivos geométricos pintados com padrão a imitar mármore.