Horário: Ver "Informações Especiais Covid-19"

Rua Conde Dom Henrique

4800-412 Guimarães

PD0469

Objeto museológico (PDB)

Contador Indo-Português
Autor: Desconhecido
Centro de Fabrico: Goa, Índia
Data: Século XVIII
Material: Madeira (teca e ébano), marfim e latão
Dimensões (cm): alt. 126,5 x larg. 89,3 x prof. 49,5
N.º de Inventário: PD0469

O contador é uma espécie de escritório móvel que permite guardar nas suas gavetas – por vezes munidas de fechadura ou com combinações secretas – documentos e pequenos objetos de valor.

A origem deste tipo de móvel entronca em pequenas caixas, com tampa, munidas de gavetas que, em Itália, no século XV, serviam de guarda-joias.

Ao longo dos tempos o contador foi sofrendo diversas alterações, ajustando-se às exigências, modas e gostos da época. De uma pequena caixa, dividida em gavetas, passou a ser um móvel com base própria: em alguns casos, uma mesa; noutros, um corpo com gavetões ou portas, noutros ainda apenas pousado sobre uma espécie de armação.

Desde sempre considerado um objeto de luxo o contador indo-português na sua tipologia e decoração sofre influência portuguesa – por exemplo, na estrutura de dois corpos sobrepostos – e indiana – no tipo de materiais e técnicas usadas, bem como na tipologia da decoração.

Trata-se de um móvel normalmente produzido por encomenda e que começou a ser executado por artífices locais em algumas feitorias portuguesas da Índia: Damão, Goa e Cochim.

O termo indo-português vem sendo utilizado para designar as peças realizadas entre os séculos XVI e XVIII, no contexto do relacionamento entre Portugal e a Índia. Hoje, há quem prefira usar o termo produção indiana de exportação para o mercado português.