Horário: Todos os dias, das 10h00 às 18h00

Rua Conde Dom Henrique

4800-412 Guimarães

PNA213

Objeto museológico (PDB)

Natureza-Morta com Falcões
Autor: Desconhecido
Centro de Fabrico: Desconhecido
Data: Século XVIII
Material: Óleo sobre tela
Dimensões (cm): larg. 66 x alt. 78
N.º de Inventário: PNA213 / PNA66696 / PD0728dep

Numa composição onde predomina o tom escuro, vislumbram-se dois falcões pendurados pelo pescoço, e outras aves pousadas sobre o que se presume ser uma mesa. No plano de fundo uma paisagem montanhosa que mal se apercebe.

As representações designadas «natureza morta» descrevem as pinturas nas quais aparecem objetos inanimados, sejam eles flores, frutas, vegetais ou animais.

Este género de pintura surge na Holanda no início da segunda metade do séc. XVII, respondendo ao gosto de uma burguesia influente que não se sentia retratada na pintura de personagens históricas ou cenas religiosas.

Apesar de considerada, tal como a pintura de paisagens e animais, um género menor, rapidamente se tornou uma moda por toda a Europa.

A pintura de naturezas mortas é sem dúvida uma imitação da realidade, um determinado momento captado em imagem e que aí se mantém refém e disponível para ser pacificamente contemplado. Teve o seu apogeu nos séculos XVII (2.ª metade) e XVIII, entrando em decadência no séc. XIX.