Horário diário: Todos os dias, das 10h00 às 18h00.

Rua Conde Dom Henrique

4800-412 Guimarães

MNSR219

Retrato do Rei D. Fernando II
Autor: Francisco José de Resende
Centro de Fabrico: Portugal (?)
Data: 1859
Material: Óleo sobre tela
Dimensões (cm): Larg. 56,5; alt. 71
N.º de Inventário: MNSR219

Príncipe Consorte de Portugal entre 1836 e 1837. Rei Consorte de Portugal e dos Algarves entre 1837 e 1853. Regente do Reino de Portugal entre 1853 e 1855.

D. Fernando II foi o primogénito do príncipe Fernando de Saxe-Coburgo-Gota. Durante a infância, cresceu em várias terras pertencentes à sua família na atual Eslováquia e nas cortes austríaca e germânica. Recebeu uma excelente educação, revelando desde cedo o seu aprimorado talento artístico.

Foi o segundo marido da rainha D. Maria II. De acordo com a lei Portuguesa, enquanto marido da rainha reinante, D. Fernando só recebeu o título de rei após o nascimento do primeiro herdeiro, nomeadamente o futuro D. Pedro V. A sua atividade política não foi muito marcante, limitando-se a ser conselheiro da sua mulher e mais tarde dos seus filhos. Preferiu dedicar‑se às artes, sendo ele próprio um artista (cantor, pintor, desenhista e gravador).

Em 1836, foi eleito presidente da Academia Real das Ciências e do Conservatório Real, em 1841. Dedicou parte das suas preocupações às causas de cariz nacionalista, como a proteção do património arquitetónico português edificado. Impulsionou aspetos culturais e financeiros, como projetos de restauro e manutenção respeitantes ao Mosteiro da Batalha, ao Convento de Mafra, ao Convento de Cristo, ao Mosteiro dos Jerónimos, à Sé de Lisboa e à Torre de Belém. Interessou-se pelo património artístico nacional, comprando e recolhendo inúmeras obras de arte, ainda hoje conservadas em museus e palácios nacionais.

Como amante de pintura, colaborou com algumas gravuras de sua autoria na “Revista Contemporânea de Portugal e Brasil” (1859-1865).

Em 1861, voltou ao poder durante um breve período de regência, após a morte do jovem monarca D. Pedro V. Em 1862, o seu nome foi sugerido para o trono da Grécia, proposta que recusou, bem como em 1868 para o trono de Espanha, depois da revolução que derrubou a rainha Isabel II, proposta que também rejeitou.

Em 1869, casou-se pela segunda vez, morganaticamente, com Elise Hensler, que era uma cantora de ópera e mãe solteira e a quem viria a deixar como herança o Palácio da Pena.

Pouco antes da sua morte, D. Fernando começou a sofrer de uma dolorosa enfermidade a que não resistiu. Está sepultado ao lado de D. Maria II no Panteão Real da Dinastia de Bragança, no Mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa.

Objeto museológico - D. Fernando