Horário diário: Todos os dias, das 10h00 às 18h00.

Rua Conde Dom Henrique

4800-412 Guimarães

15-A

Retrato do Rei D. Manuel II
Autor: José Nunes Ribeiro Júnior
Centro de Fabrico: Portugal (?)
Data: Século XX
Material: Óleo sobre tela
Dimensões (cm): Larg. 141; alt. 186
N.º de Inventário: 15-A / PD1204dep

Retrato do Rei D. Manuel II em meio corpo virado para a sua esquerda.

Traja farda militar de gala Marechal General da Armada, que só o rei poderia usar. Tem dragonas douradas nos ombros.

Ao peito, na diagonal, uma faixa de três cores: verde, vermelho e lilás. Traz condecorações na qual se identifica o Colar da Ordem Militar da Torre e da Espada, duas placas e dois distintivos.

Tem na mão esquerda, luvas brancas e segura uma espada embainhada.

 

Último rei de Portugal. Filho do rei D. Carlos e de D. Amélia, teve que interromper os seus estudos, aos 18 anos, para assumir o trono de Portugal, devido à morte do seu pai e do seu irmão, o príncipe herdeiro, D. Luís Filipe (regicídio de 1908).

A sua educação moral e física foi cuidada e rigorosa. D. Manuel II tinha um especial gosto pelas artes, literatura e música (tocava órgão), sendo também exímio no estudo e na investigação histórica. Falava corretamente várias línguas, o francês era o seu segundo idioma (desde os seis anos que lia, escrevia e falava francês).

Foi um soberano conciliador. Preocupou-se em moderar de forma equidistante os grupos que atuavam na cena política da época, tendo mantido a fidelidade à Carta Constitucional.

Os problemas, que se mantiveram durante o seu reinado, levaram a que os republicanos passassem a sua mensagem sem grandes entraves. A 5 de outubro de 1910, D. Manuel II foi deposto na sequência de um golpe republicano, exilando-se na Inglaterra até à sua morte.

No exílio, reuniu uma preciosa biblioteca, dedicando-se ao estudo bibliográfico, sobretudo, de obras portuguesas dos séculos XV e XVI. Publicou, em três volumes, um catálogo sobre os livros antigos denominado “Catálogo dos Livros Antigos Portugueses da Biblioteca de Sua Majestade Fidelíssima”. Participou na Primeira Guerra Mundial, integrado na Cruz Vermelha Internacional, subsidiando e acompanhando feridos de guerra.

Faleceu, na Inglaterra, com 43 anos, devido a um edema da glote (provavelmente provocado por uma reação alérgica), e está sepultado no Panteão Real da Dinastia de Bragança, no Mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa.

Objeto museológico - D. Manuel II