Horário diário: Todos os dias, das 10h00 às 18h00.

Rua Conde Dom Henrique

4800-412 Guimarães

PD0035

Cálice / Vaso
Autor: Desconhecido
Centro de Fabrico: Desconhecido
Data: Século XVII
Material: Estanho
Dimensões (cm): Alt. 28,5; Ø 13,5
N.º de Inventário: PD0035

Vasos e cálices têm formas semelhantes, variando a sua designação consoante a função respectiva: podiam ser «vasos» em forma «cálices». Este mês, e uma vez que estamos num Paço Medieval, falamos-lhe dos Vasos.

Os vasos (linguagem medieval) eram usados para beber e mais não eram do que copos, se bem que um tanto maiores e mais pesados do que os utilizados hoje em dia. Também se usavam os vasos para receber alimentos após a sua confecção. Os grais e tragas, ambos vasos de maiores dimensões, também tinham esta função.

Os líquidos, como por exemplo o vinho, eram bebidos não apenas no seu estado natural, como também aquecidos. E eram, frequentemente, servidos em copas tapadas por sobrecopas. Para beber, também se usavam as chamadas púcaras e pucarinhas, feitas em barro e com asas.

Por outro lado, o estanho é um dos metais mais antigos conhecido pelo Homem. É prateado, maleável, resistente à corrosão e de dificil oxidação. Em conjunto com o cobre, permite o fabrico do bronze, muito utilizado durante a Idade com a mesma designação, devido à elevada utilização que teve. Mais tarde, na Idade Média, o estanho era usado no quotidiano, nomeadamente no fabrico de utensílios destinados à alimentação. A utilização deste metal com estas funções, reflectia a estrutura económica, política e social dos diferentes grupos da sociedade. Para além do estanho, também se fabricavam estes utensilios em madeira, vidro, barro ou até mesmo em prata e ouro.

Objeto museológico (vaso)